Makers sustentáveis e inovadores: entrevista com a Mônica Gonçalves


Mônica Gonçalves, a Casa Grigi e o In.filo fazem parte da nossa comunidade de makers sustentáveis e são parceiros do programa de incubação e mentoria em moda e design sustentável da Slow Innovation Brands. A Mônica vem trabalhando do desenvolvimento de novos materiais sustentáveis como o fio de cortiça e o couro de banana. Ela faz parte da nossa equipe técnica como professora e consultora. Nós realizamos uma entrevista com ela para você conhecer mais sobre a sua trajetória! 
fio de cortiça

 


Quem é a Mônica? 

O seu percurso foi pautado por vários concursos:

Destacam-se os primeiros lugares no Roménios em Berlim em 2010;

Campeonato Europeu ‘Euroskills’ em 2011;

EcoFriendly do Portugal Fashionem 2012;

O primeiro prémio no Campeonato Europeu valeu-lhe uma bolsa de estudo que a levou a Itália para trabalhar na prestigiada Barena, cujos princípios influenciam e inspiram para o desenvolvimento do fio no qual terminou com uma classificação de 20 valores.

Com o grande objectivo de estudar e explorar materiais locais e naturais, cria em 2011 o fio de cortiça, projeto que pretende valorizar recursos e técnicas inovadoras com materiais nacionais.

De 2011 até ao momento o seu percurso tem sido dedicado ao desenvolvimento de novos materiais e às novas possibilidades de aplicação de resíduos orgânicos no têxtil.

 

No que a Mônica trabalha atualmente?

Para além de manter o projecto do fio de cortiça, trabalho com outras empresas na área da inovação e sou professora de matérias na LSD e na World Academy.

 

Com que tipo de materiais trabalha e por que?

Trabalho com o fio de cortiça e resíduos. Actualmente estou focada nos resíduos alimentares.

 

Quais os cursos que você ofereçe pela Slow Innovation Brands? O que os alunos podem aprender consigo?

Tingimentos naturais, Couro vegan, produção de bioplástico e Novos materiais (teoria)

 

Você tem ou teve investidores?

Sim, tenho um grupo de investidores que apostou no projecto do fio de cortiça, após a participação no Sharktank.

 

Você já participou de algum concurso de startups? Nos conte como foi essa experiência.

 

Eu participei em vários concursos de design de moda e inovação. O único concurso de Startups foi o “Sharktank”.

 

Já realizou alguma campanha de crowdfunding?

Até ao momento não.

 

Qual a sua formação acadêmica? Os conhecimentos adquiridos lhe auxiliaram a criar e a gerir a sua startup?

Tirei o curso de Design de moda e tirei várias formações como: alta chapelaria, moulage e alta costura, corpetes e modelagem 3D com o Mestre Shingo Sato. Fiz 3 estágios profissionais em diversas áreas, ambiente industrial e de atelier e por fim fiz Erasmus em Veneza ao qual mantenho vínculos profissionais.

 

Quais os resíduos de frutas podem ser reaproveitados e para quê?

Na realidade toda a fruta pode ser reaproveitada, desde que estejamos seguros que conseguimos anular os açucares e manter a fibra com qualidade e resistência ne cessária.

A transformação dos resíduos da banana em matéria prima sustentável envolve o tratamento com químicos? Qual a sua opnião sobre a utlização de produtos químicos na transformação de matérias primas sustentáveis? Elas podem ser nocivas para o meio ambiente e para o homem?

 

A transformação da banana em matéria prima sustentável não envolve qualquer tipo de químicos. É tudo á base de formulações naturais.

Bem, eu penso que a grande maioria dos casos precisa da utilização de químicos na transformação da matérias primas sustentáveis, para garantirmos a solidez/resistência necessária para o produto chegar ao utilizador com qualidade. O facto de estarmos a substituir percentagem de materiais sintéticos por resíduos é já uma grande conquista.

 

Quais os benefícios da utilização da banana enquanto matéria prima para a confecção de roupas e objetos?

Ainda não testamos o produto em “grande escala”, para já temos a prova-conceito. Mas ambiciono que o mesmo seja um bom substituto de couros e não tecidos.

 

Nos conte um pouco sobre o couro de banana criado por si.

O couro de bana é um material que esteticamente é muito semelhante a um couro animal e que tem composição de 100% Casca de banana. É um material com estrtura e alguma flexibilidade, mas que rasga como um cartão. Para o fazer entender, explico que o mesmo tem um misto de comportamento de couro com um TNT.

 

Nos conte sobre o fio de cortiça de cortiça criado por si.

O fio de cortiça foi e é o meu grande desafio! Conseguir conferir à cortiça uma resiliência e resistência não foi tarefa fácil, pois estamos a falar de um fio que é constantemente exposto a forças de tração e que quando trabalhado em máquina não pode partir. O mesmo confere um toque seco do linho mas tem a beleza e a cor da cortiça, que na minha opinião é único. É que se adapta a diferentes aplicações. Já foi aplicado em vestuário, calçado, mobiliário e têxtil-lar.

 

Tens outros materiais criados? Eles estão disponíveis para venda?

Sim, já desenvolvi outros materiais mas que irei divulgar a seu tempo. No entanto estamos disponíveis para trabalhar sempre na área do desenvolvimento de novos materiais em parceria. 

Mônica Gonçalves, inventora criativa, mulher empreendedora, professora dedicada e amiga querida! 

Junte-se ao Programa de Inovação em Moda Sustentável e conheça toda a nossa comunidade de makers sustentáveis! 


Leave a comment


Please note, comments must be approved before they are published